sexta-feira, 28 de março de 2008

Pas[z] de Deux[s].

E tem vezes em que meus pés parecem perder o chão. Não como um salto do qual sei o certo retorno, mas como um vento brusco que leva as folhas com tal velocidade que os olhos mal acompanham. É quando as sapatilhas já não sustentam os dedos cansados e a música parece enfraquecer suas notas.
Sim, eu sei a dança que queria fazer. Queria por a alma nos pés, a vida nos giros, meu mundo em canção... Mas são nestas horas, quando o silêncio é a platéia, que só me resta refugiar-me nos bastidores de mim.

Olho o palco sem luz no qual meus sonhos querem bailar. Queria eu ter forças para que as pernas sustentassem o corpo, assim apenas deixar-me-ia conduzir. Mas não, estou aqui, no camarim do qual fujo dos espelhos. Não há maquiagem, nem mesmo enfeites, há apenas meu rosto cansado e a minha covardia que sufoca a sala. Não tenho coragem, não tenho força.
Nestes momentos surge em mim uma dança triste: É a minha alma chorando passos. Por favor entenda, a dança é refúgio, não posso conter minhas lágrimas. Deixe-me com meu silêncio, pois a solidão dói uma dor tão grande que eu preciso dançá-la. Deixe-me.

Sei que me vês, daí, desta pequena janela onde contemplas o palco. Vês a tristeza que envolve-me agora. Sabes como eu queria poder sair daqui, mas há no caminho feridas abertas, e não tenho forças para atravessar. Por isso o choro coreografado, o peito tão aberto... Percebes como fico entregue à erupção que sai de mim?
Não me olhes assim, pois não suporto teu olhar, não agora. Sei que me querias flor altiva, campo fechado, olhar sincero. Mas tudo que tenho são mãos vazias. Fiz-me bailarina que ao fechar caixa cessa a vida. Tudo o que tenho é dor.

Por que vens até mim? Não te posso encarar, não assim. Queria eu ter brilho nos olhos, coração puro, passos perfeitos... assim te receberia e juntos formaríamos um belo pas de deux. Nem mesmo consigo te recepcionar com Fouettés, há em minhas pernas o peso dos meus complexos, há em meu corpo o peso de uma vida. Recebo-te com minha cara limpa, longe dos holofotes.
Estendes tua mão para mim... É um convite? Como pode minha tristeza fazer dueto com a tua luz? Como posso negar-te uma dança, sendo tu quem és? Deixo-me envolver em teus cuidados, sinto tuas mãos em minha cintura, sim, tu me carregas acima das minhas feridas, pelo caminho que antes eu não podia seguir. Ao colocar-me no chão, faz-me piruetar minhas angústias segurando-me com leveza...

Vejo que me direcionas para o palco, e estranhamente não temo. Vamos até ele duetando passos e sorrisos. Entrego-me a teu dominio e tu me rodas no ar, enquanto os pesos deixam minhas pernas e meu corpo se revigora. Sim, dançamos... E as luzes se acendem, a platéia se enche, a música toca, todos para nos ver dançar. Em ti sou fortaleza, sou pássaro livre, sou vida que dança para a alma cantar... Me deixas solar sob o cuidado de teus olhos, e meus pés sustentam com leveza o espírito que agora regojiza paz... Quanto te vejo, tudo em mim explode em cores, e viro arco-íris em teus braços. Tu silencias minh'alma, e eu, em paz, danço alegria.

Devagar te vais, de volta à tua janela. Fico então no palco da vida, pisando os temores, confiando em tua vigilância.
Vejas-me agora, sou rio a transbordar. Recebas com teus olhos o presente que te dou, uma dança de gratidão. Grata sou por teu olhar atento, ajuda constante, amor sem medidas... Percebes a coreografia que me deste? É a minha alma sorrindo passos a ti, meu Deus.

11 Piruetas.:

Mr. Ziggy disse...

Ow, mas esse texto foi um arraso, uma antologia de metáforas, de intimidade com Deus, de entrega. Foi um espetáculo lindo de se assistir, daqueles que emocionam, que fazem o público chorar. Bravo! E palmas frenéticas também...
Bjos das bandas de cá! =]

bruna.k disse...

Sem palavras possíveis de expressar a beleza disso tudo.
Não há o que dizer.
É simplesmente perfeito, verdadeiro... uma dança!
E tu sempre assim... tirando da dificuldade as mais belas palavras que já li.
Bjus...
Bruh

Filipe Garcia disse...

Karine,

Ainda estou afundado nesse mar de palavras suas... Sua poesia é extasiante e dança no meu peito, incomoda, acende aquela esperança e aquela certeza do Nosso Deus vivo.

Essa sua entrega é bonita. É o que tento fazer todos os dias, mas é difícil. Teimo em confiar nas minhas forças. Tenho que aprender os passos ainda, eu nem sei dançar balé... rs

Beijos.
Ah, não preciso falar que achei tudo absurdamente bonito, não é?

Juliana Caribé disse...

Amei o final...
Beijos.

O Profeta disse...

Esta é a alma que voa de um Profeta
Ao encontro do teu sentimento
Este é o sal de alva espuma
Que te ofereço e diadema de espanto…

Olhos de alma, da tua alma
Quero-os no cais da minha chegada
Espero por ti em manto de ternura
No encontro da minha caminhada


Bom domingo

Mágico beijo

Camilla disse...

Ká,

tenho enorme prazer em lhe convidar para aderir a minha primeira campanha: A Amazônia é nossa!
Se quiser participar, poderá ler a postagem sobre a mesma:

http://devaneios-online.blogspot.com/2008/03/amaznia-nossa.html

Estou deixando o endereço aqui para ficar mais fácil localizar a postagem no blog, já que na medida que for fazendo outras, ela vai descer.

Se for participar da campanha, poderá pegar o selo em meu blog. Pode indicar quantos blogs quiser, desde que passe para eles o endereço da postagem em meu blog. Você também deverá fazer uma postagem sobre o assunto, a fim de conscientizar os blogueiros da importância da floresta. Ajude! Conto com você, a Floresta Amazônica agradece!

Beijos!

"Ninguém comete erro maior do que não fazer nada porque só pode fazer um pouco. Para o triunfo do mal basta que os bons fiquem de braços cruzados" (Edmund Burke)

Spuldaro disse...

Acabei de cair de paraquedas.
O mais estranho é que não foi no chão, nem na água. Talvez esteja suspenso em galhos de gigantes árvores, em meio às nuvens.
Ainda irei digerir suas tantas palavras, mas já confesso que ganhastes mais um assíduo leitor.
Abraços...

Lúcia disse...

Olha só! Coisa boa saber que você também dança!
Adorei a visita, venha mais vezes!

Acabei de linkar você também viu!

Beijos!

Lúcia disse...

Então! Me surpreendi também quando cheguei aqui e vi dança por todos os lados...! E cada foto linda...
Eu tinha um fotolog onde costumava postar fotos dos meus trabalhos no palco... abandonei já há um tempo, mas dá uma olhada depois:

http://www1.fotolog.com/maya7_lucia/

Beijos!

Menina Lunar disse...

Liiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiindo.
Um sublime espetáculo!!!

Perfeito.


(adorei aqui, beijo;)

Fernando Locke disse...

Eu disse que voltaria e voltei! Coo tm havia dio que iria comentar, estou comentando! Incrivel seu texto! vc consegue falar de Deus e sua paixão pelas coisas do alto, comparar isso com outra paixão sua, a dança e tudo isso fica de uma forma tão envolvente, tão interessante! grande abraço garota!

 

Blog Template by BloggerCandy.com