quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Perseguição


Hoje eu descobri. Tá certo que eu já desconfiava, mas hoje foi o golpe certeiro.
Ela me persegue e sempre me perseguiu, e é impossível olhar pra frente e pensar que me livro dela.
Ela impregna em mim feito perfume barato, atordoa meus pensamentos como a música de que não se quer lembrar.
Desde a infância ela estava ali. Recordo que, munida de mudanças, ela me descobriu e fui uma presa fácil. Nem precisou vir ao meu encontro, eu mesma me atirei em seus braços.
Começou cedo, com a escola. Mal me acostumava e lá ia eu de novo trocar de cidade. Isto me fez saber fazer amigos de forma rápida, porém ela me perturbava cada vez que precisava fazer as malas novamente. Lembro daquela rua de chão batido na qual eu corria! Da casa de boneca da vizinha, do menino da casa de baixo, do bar que o tio Carlos sempre me vendia balas! As festinhas de aniversário... cabanas feitas de coberta!
Então, parti... deixando pra trás sorrisos e lembranças! Fui rumo à um novo lugar!
O meu mundo encantado! Ah, como era bom morar na praia! A areia era só para eu correr... as lagoas? Só minhas... o mar?Ali... atrás das dunas. E era bom chegar até ele, pois precisava atravessar as dunas, processo lento e de imenso prazer, que eu gostava de percorrer caindo propositalmente, só para rolar nelas!

Então, parti... de volta à cidade!Porém, para o lado contrário dela, lado quase sem árvores! Escola nova, tempo de criar raízes! Foi um bom tempo nesta escola, embora eu tenha mudado de bairro três vezes. Mas parti também, escola nova, tempo novo. E ela sempre ali, me perturbando, crescendo em mim... a cada lugar, uma nova facada feita por ela em minha alma! Sua crueldade começou a aumentá-la e ela fez de mim sua principal vítima. Começou a se divertir com o jeito que me deixava.

Então, parti da escola também, rumo à uma nova etapa. O que encontro? Ela de novo. Mal acaba um semestre, e partes de mim já vão embora.
Ela me marca. Mostrando que levo sempre um pouco daqueles que me cativam.


É, verdadeiramente sou perseguida pela saudade...

1 Piruetas.:

renatoziggy disse...

Ai, a saudade é danada! É "inegociável"! Ela não abre mão das marcas, sensações, imagens, sentimentos e lembranças que nos causa sempre que nos invade. Faz parte do show... Paz da saudade! "Mr. Trem"

 

Blog Template by BloggerCandy.com