quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Eu tenho um quase-amor.



Descobri que tenho um quase-amor por um Quixote perdido em livros e palavras.
Descobri que quase o quero, para não dizer que ele ocupa os pensamentos.


Sou a Dulcinéia de um Quixote distante, que mesmo proferindo juras, jamais poderei concretizar. Tenho um quase-pensamento que quase se torna sonho de galopar junto ao seu Rocinante. Porém sou a Dulcinéia presente no pensamento e longe do real.

Meu Quixote me canta juras, porém eu não as posso escutar.
Meu Quixote enfrenta gigantes, porém eu não os posso ver.

Meu Quixote é parte da minha história, e não eu invenção sua.
"E o mundo é muito pequeno para as patas do meu Rocinante!"
Eu tenho um quase-amor por Quixote. O sonhador dos livros. O louco dos versos. O cavalheiro valente.
E ele por mim cada vez que abro suas páginas. Depois, não sei. Deve galopar rumo à outra aventura.
Ah, ainda me caso com Dom Quixote!

3 Piruetas.:

Gldbzn disse...

"E o mundo é muito pequeno para as patas do meu Rocinante!"

Mas seria pequeno mesmo, ou não... talvez...
só sei q qto mais espero, menos vou esperar...

Mas afinal, q onibus eu pego?

Mr. Ziggy disse...

Caramba! Esse texto foi o melhor de todos! Acho que nele você encontrou seu estilo... Muito bom. Paz do "tirei meu chapéu"!

Mr. Ziggy disse...

Zy querendo "kickar o ass" do Quixote! Hunf... :p

 

Blog Template by BloggerCandy.com